Realengo, abril de 2011.

Doze flores arrancadas dos vasos
Doze escolhidos a espiar os pecados
De um lunático vazio de tanta loucura

Doze ausências na chamada
Doze vozes pra sempre silenciadas
Por quem viveu refém da realidade

Doze sonhos sacrificados
Doze famílias que sangram, dilaceradas
E um povo que persegue a paz.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s