Maria da Penha

Balzaquiana mata o marido
A golpes de ferro de passar roupa
Passou o passado a limpo
Manchando de sangue
O lençol de cetim e o piso de carrara

Olhos vermelhos e choro contido
Meio que jazia sobre suas lembranças
Para consumir à força o fato consumado
Sentiu ter feito o próprio aborto
Ao matar quem a matava aos poucos

Nos cantos de sua boca
Morava um sorriso cínico
De quem havia feito a melhor escolha
E que doa em quem doer
Desde que não mais fosse ela

Levantou e banhou-se
Usou perfume bom
Trocou de roupa
Beijou-lhe a face
E foi embora
Linda como sempre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s