Morrer aos poucos

De tanto morrer aos poucos
eu sobrevivi
Juntei meus pedacos
feito cacos nobres
de rimas pobres
soando clichês
no mesmo lugar comum
O espelho é meu algoz
mostra aos olhos as rugas
Rotas de fuga na face
que o tempo esculpiu
Eu não sou mais o mesmo
Meu ego e eu vagamos a esmo
Dentro e fora de mim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s