O Peixe

peixe.jpg
O Rio Doce era nosso céu
Ali a gente voava por suas águas sujas
Onde tinha de tudo

Coliforme, pneu, colchão, química
Espuma da fábrica de papel, esgoto e até gente cínica
Que sujava a água
Depois a tratava
E a mandava de volta
Na sujeira das descargas

E fomos levando, como o rio levava a vida
Devagar, constante e sempre
Até sumir a luz do sol
E tudo se impregnar de breu marrom

A lama nos achou
Como quem coloca sacos plásticos nas cabeças dos inimigos
E exige nomes, dinheiro e confissões.

Ficou impossível respirar.
Mal deu tempo de chegar a margem para deixar de existir.

4 comentários sobre “O Peixe

  1. “Mas seguiu em frente. Encontrou o mar e o pintou de barro.Como quem encontra um velho amigo: abraça, chora e divide o fardo.”

    * O mar sabe receber, reciclar, purificar. É destino certo todo rio correr para o mar. O mar, como mãe, acolherá o rio como ele estiver. Não sofra tanto, poeta: o rio, agora, já virou mar! Bjos!!!

    • P.S. Repeti intencionalmente, pois, a beleza de seus versos são um pranto justo, justíssimo! Por isso me lembra a redenção: passará, e haverá de ser breve a dor que deixou ao passar. A natureza é pródiga… muito próxima da paz, longe da enfermiça “guerra-do-mundo-dos-homens”! Bjos, Jério!!! Lindas, as “suas letrinhas”, viu?

    • Que lindura de palavras! Obrigado mesmo! O Rio Doce fez parte da minha vida e da Naymme, principalmente dela que “morou nele”, na Ilha dos Araújos em Valadares. Tomara que tenha forças pra sair dessa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s