Procissão

Ningúem era de ninguém
Até ela ser dele
Na procissão do eu sozinho
Tomou posse
E a carregou no andor
Na bolha hermética e segura
Que julgou todo o tempo
Ser amor

Mas era só insegurança mesmo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s