Gravidade

gravidade

Não tenho medo de altura
Só da gravidade
Aquela força que me atraca ao chão

Talvez sendo mais branda
Saberia como se sentem
Balões de hélio e bolhas de sabão

Mas ela insiste em me puxar pra baixo
Em me deixar preso nos meus passos
É meu desejo na contra mão

Dona Dalete

Minha mãe completou 65 anos
Já pode andar de ônibus de graça,
Ter prioridade na fila do banco
E levar uma mordida menor do Leão

Muito pouco para quem provou aos 28
O gosto amargo da viuvez
E o desafio de criar 3 filhos sozinha
Ela e a gente na flor de nossos 8, 7 e 5 anos

Para Dona Dalete não havia planos
Em que não estivéssemos presentes
Não havia sonhos
Que não pudéssemos sonhar juntos

Lembro das dificuldades da grana curta
Das inúmeras horas na máquina de costura
Da sabedoria para nos ensinar o certo e errado
De sua fé inabalável nas coisas do alto

Um dia me deu uma bala de prata
Quer ser engenheiro? Não temos dinheiro
Estude e passe na UFMG
E assim foi feito

Diante do impossível
Usava seu “telefone vermelho”
Dava seus pulos, fazia sua parte
E batia um papo com Deus

Não existiu batalha que não vencesse
Fosse aqui ou em terras distantes
Muito obrigado por ter nos guiado!
Muito obrigado por ter nos criado!

PS. O que fazer com esse tantão de amor que ainda carrega no peito?
Continue distribuindo com Samantha, Clara, Lara, Théo, Gael, Luan, Caio e Luca.
Avó é um tipo de mãe ainda mais abençoado.

image

Pichador

Ao pichador das obras de Cândido Portinari e Oscar Niemeyer uma imensa vontade de batê-lo no liquidificador,  peneirá-lo, pressurizá-lo e distribuí-lo em diversas latinhas de spray para sair pichando pela cidade, onde for permitido, a palavra IDIOTA.

Morto

Meu amigo
É isso mesmo que você NÃO ouviu
Você morreu e continua sorrindo

E a curiosidade me mata
Ou melhor, quase me mata
Desculpe-me, mas o morto é você

Que era ateu não praticante
Do tipo “Pelo Amor de Deus”
E numa hora dessas
Já não tem mais qualquer dúvida

Mas onde estará você?

Será que já virou vida passada
E nasceu pop-star em outra dimensão?

Será que está num SPA moral
Purgando a alma feito um furúnculo?

Será que vai viver eternamente
Como os 144.000 lunáticos de plantão?

Será que vai ouvir para sempre
Diante do Trono e os Pa$tore$ da Televisão?

Resumindo, você bateu as botas que nunca teve.

FIM.

 

 

INSS

relógio

 

 

 

 

 

 

 

Escrachos sãos
São os que vão te salvar
Dessa tediosa mesmice
Que te esfola aos muitos

Acorda na madrugada
Bulina a patroa
Lava a fuça
Troca de roupa
Come pão sem manteiga
Toma café frio
Pega o busão
Viaja em pé por duas horas
Trabalha
Almoça na marmita
Dorme 20 minutos
Trabalha
Escuta a sirene
Volta pra casa
Xinga a patroa
Bebe cachaça
Janta bife acebolado
Faz amor sem amor
Bate na cara
Dorme travado
E volta ao primeiro verso
Até a aposentaria chegar.

Temalizando

Tão poucos temas
Tantos dilemas
Que fazem da dor, uma pena
Que rascunha desilusões

Tanta saudade
Esse tipo bom de maldade
Que viaja pra longe e nos leva
Sem nos tirar do lugar

Tanto
Tento
Tinto
Tonto

Acho que bebi demais.